Skip to main content

Por Lucas Seara¹ e Clara Marinho Nascimento² do Projeto OSC Legal

Chegou de Minas Gerais uma pergunta muito interessante, recorrente nas atividades que o Projeto OSC LEGAL vem realizando. Uma seguidora do projeto, da área de contabilidade, questiona: considerando a Lei nº 13.019/2014³, os templos religiosos poderão receber verbas públicas? Quais as premissas? Pode haver parcerias com base no MROSC?

A princípio, cabe destacar a natureza jurídica das organizações religiosas na legislação brasileira, com destaque para o Código Civil⁴, em seu artigo 44, IV, que as reconhece como pessoas jurídicas de direito privado. Por sua vez, o § 1º do mesmo art. 44 reconhece a liberdade de criação, de organização, de estruturação interna e de funcionamento das organizações religiosas, com vedação expressa do poder público de negar-lhes reconhecimento ou registro dos atos constitutivos e necessários ao seu funcionamento.

Segundo Grazzioli e Paes⁵, tais organizações “são constituídas, em linhas gerais, pelo universo de pessoas congregadas segundo uma doutrina de fé, afigurando, por isso mesmo, um modelo associativo atípico”. Apesar da semelhança com o regime geral das associações, os autores apontam que não existe uma definição legislativa específica ou um regramento para a atuação das organizações de cunho religioso, destacando-se o Código Civil e as regras gerais.

Retomando a questão central que nos foi enviada: sendo o templo religioso um ente social, ele pode ser uma OSC? Pode receber verbas públicas?

De antemão pode-se afirmar que as entidades religiosas podem ser reconhecidas como Organizações da Sociedade Civil (OSC), nos moldes da Lei nº 13.019/2014, o chamado Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil, com base no art. 2º, I, c. A lei estabelece que as organizações religiosas devem se dedicar a atividades ou projetos de interesse público e cunho social que se diferenciem das atividades exclusivamente religiosas.

Em outras palavras, para que se estabeleça uma parceria entre a administração pública e entidades religiosas, importa menos a natureza da pessoa jurídica ou a crença dos associados⁶, e mais o objetivo pretendido com a afetação da atividade como de interesse social. Ou seja, importa menos o credo e a atividade religiosa (culto) praticada, mas tem relevância os tipos de projetos e/ou atividades que serão desenvolvidos na comunidade (voltadas aos membros da instituição ou abertos a qualquer pessoa) e quais os impactos sociais dessa intervenção.

Com efeito, a simples existência de um templo religioso não o torna automaticamente uma OSC, muito menos o garante como apto à captação de parcerias e verbas públicas⁷. Não basta o professar da fé, mas a atuação social que a instituição religiosa realiza, as intervenções sociais que empreende. Alguns exemplos dessa atuação: abrigos de idosos mantidos por centros espíritas; comunidades terapêuticas ligadas a credos evangélicos; escolas ou creches mantidas por terreiros de candomblé; acolhimento de população em situação de rua e/ou imigrantes pelas iniciativas católicas; etc.

Deve-se também destacar que dentre os requisitos que a Lei exige para celebração das parcerias com o Poder Público, as entidades religiosas possuem duas exceções à regra geral, conforme o art. 33, § 2º, da Lei nº 13.019/2014. Primeiro o dispositivo dispensa tais organizações da exigência de itens nas normas de organização interna (estatutos) que prevejam objetivos voltados à promoção de atividades e finalidades de relevância pública e social; também dispensa a obrigatoriedade de transferência do respectivo patrimônio líquido a outra pessoa jurídica de igual natureza, em caso de dissolução da entidade.

Entretanto, todas as demais regras estabelecidas para as parcerias são exigidas, tais como: identificação do objeto pactuado, as obrigações das partes, as metas a serem atingidas, etapas ou fases de execução, detalhamento do trabalho a ser executado e público alvo, plano de aplicação dos recursos financeiros, cronograma de desembolso, regularidade jurídica, adimplência com os Poderes Públicos, etc.

Assim, respeitando os princípios da laicidade e reconhecendo a importância das atividades religiosas no fortalecimento de uma sociedade democrática e plural, o MROSC inclui as entidades religiosas em um dos polos da relação com a administração pública, possibilitando acesso às parcerias que viabilizam e reconhecem o papel histórico das instituições religiosas no fortalecimento dos sujeitos de direito no Brasil.

1. Lucas Seara. Advogado. Consultor. Mestre em Desenvolvimento e Gestão Social (Escola de Administração/UFBA). Colaborador Técnico do CONFOCO/Bahia. Coordenador do Projeto OSC LEGAL.

2. Clara Marinho Nascimento. Bacharel em Direito pela Universidade Católica de Salvador

3. Lei nº 13.019, de 31/07/2014 — Estabelece o regime jurídico das parcerias entre a administração pública e as organizações da sociedade civil, em regime de mútua cooperação, para a consecução de finalidades de interesse público e recíproco, mediante a execução de atividades ou de projetos previamente estabelecidos em planos de trabalho inseridos em termos de colaboração, em termos de fomento ou em acordos de cooperação; define diretrizes para a política de fomento, de colaboração e de cooperação com organizações da sociedade civil; e altera as Leis nºs 8.429, de 2 de junho de 1992, e 9.790, de 23 de março de 1999

4. Lei nº 10.406, de 10/01/2002 — Institui o Código Civil

5. GRAZZIOLI, Airton; PAES, José Eduardo Sabo. Compliance no Terceiro Setor: Controle e Integridade nas Organizações da Sociedade Civil. São Paulo/SP, Editora Elevação: 2018.

6. Vale registrar que a liberdade de crença está ancorada na Constituição Federal, em seu art. 5º, VI, que estabelece como inviolável a liberdade de consciência e de crença, assegura o livre exercício dos cultos religiosos e garante a proteção aos locais de culto e a suas liturgias.

7. Ressalte-se o princípio da laicidade do Estado, consagrado na Constituição Federal de 1988. O art. 19 veda à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios estabelecer cultos religiosos ou igrejas, subvencioná-los, embaraçar-lhes o funcionamento ou manter com eles ou seus representantes relações de dependência ou aliança, ressalvada, na forma da lei, a colaboração de interesse público.

One Comment

Enviar comentário

Acessibilidade
Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support