Skip to main content

Entre os dias 21 e 26 deste mês, a cidade de Porto Alegre (RS) foi palco do Fórum Social das Resistências 2020. O evento tem como objetivo fortalecer a articulação entre os movimentos sociais em torno de uma agenda global de resistência contra todas as formas de opressão, em defesa dos direitos humanos e do meio ambiente. As representações das Organizações da Sociedade Civil (OSCs) que compõem o Comitê Facilitador (CF) da Plataforma MROSC estiveram presentes no encontro e realizaram diversas agendas voltadas à ampliação e fortalecimento da Plataforma MROSC nos diferentes estados e regiões no país.

Nos dias 21 e 22,  as representações das entidades que compõem o CF e o Comitê Gestor do Projeto “Fortalecimento e Regionalização por um Novo Marco Regulatório das Organizações da Social Civil”, apoiado pela União Europeia, se reuniram e apresentaram um balanço das ações realizadas durante o primeiro ano do projeto, a partir de diferentes campos como comunicação, assessoria jurídica, articulação política, gestão financeira e monitoramento. Já durante a tarde do dia 22, as OSCs que integram o Conselho Consultivo da Frente Parlamentar Mista em Defesa das Organizações de Sociedade Civil e o Coordenador Geral da Frente, Deputado Federal Afonso Florence(PT-BA)  se reuniram para a construção da pauta de trabalho da Frente no ano de 2020. Entre os pontos importantes, destaca-se a criação de um Grupo de Trabalho (GT), proposta a ser discutida com o atual Presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ),  para discutir pautas como a questão tributária, a garantia da autonomia e sustentabilidade e o enfrentamento da criminalização das OSCs. Florence reforçou a importância do tema e se comprometeu a articular o encaminhamento das demandas para o GT.

Na quarta-feira (23), o destaque foi a roda de conversa “Plataforma MROSC: Resistências e Convergências na afirmação da democracia” que aconteceu na Assembleia Legislativa do Rio Grande do SUL (ALERGS) e contou com a presença de diversas OSCs, sindicatos e pesquisadoras(os). A mesa foi coordenada por Eleutéria Amora da Casa da Mulher Trabalhadora-CAMTRA e Associação Brasileira de ONGS-Abong e Eliana Rolemberg da Coordenadoria Ecumênica de Serviço – CESE; e composta  por Aldiza Soares da Silva (Fundação Grupo Esquel Brasil), Igor Ferrer (Cáritas Brasileira), Candice Ferreira Araújo (Elo Brasil), Daniel Rech (União Nacional das Organizações Cooperativistas Solidárias-UNICOPAS) e Marta Lago (CAMTRA)  e pelo Deputado Federal Afonso Florence,.

A atual conjuntura política e os desafios do ambiente legal de implementação MROSC, como os ataques as ONGs e OSCs e as sucessivas investidas de criminalização burocrática, foram alguns dos principais pontos mobilizados. Uma das estratégias de enfrentamento debatidas nesse âmbito foi a judicialização da lei do MROSC. “Se o legislativo não nos contempla e apresenta repetidas falhas na sua relação com sociedade civil a partir dos instrumentos do MROSC, nós devemos sim recorrer ao judiciário. Não podemos ficar acuadas diante disso e achar que não há saída. Se for preciso judicializar as pautas, faremos isso, mas não vamos continuar sendo atacadas e e humilhadas da maneira que está acontecendo atualmente.” pontuou Eleutéria Amora, coordenadora geral da CAMTRA e diretora executiva da Abong.

Os desafios para a articulação em rede nos estados e municípios também foram levantados pelas(os)s participantes. “Quando falamos em adesão e  participação também temos que pensar as diferenças e as disparidades entre as próprias OSCs, o contexto é difícil para todas, mas há organizações mais marginalizadas que outras, há campos de atuação que são vistos com descrédito pelo próprio movimento social, tem também as diferenças de contextos regionais e estaduais[…]”, pontuou a assistente social Patrícia Reis da Associação Beneficente AMURT-AMURTEL. “Então é fundamental também a gente pensar, nesse momento, em formações, capacitações e formas de fortalecermos uma intelectualidade no sentido de formular um pensamento crítico em cima das nossas pautas; porque senão viramos apenas um braço executor do Estado e isso não pode acontecer.” concluiu.

Ao final do encontro, ficou acordada a construção de uma agenda de articulação política, com a realização de oficinas, formações e caravanas sobre a Plataforma MROSC para as OSCs no estado do Rio Grande do Sul e demais estados do Sul do país, ainda sem data definida.

Acompanhe as próximas atividades da Plataforma MROSC nesse site e também nas nossas redes sociais. Juntas e juntos fazemos a diferença!

 

 

 

Enviar comentário

Acessibilidade
Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support